Resenha Crítica | Esquizofrenia – Entre o Real e o Imaginário (2004)

Personagens esquizofrênicos geralmente servem de meros objetos para roteiristas ansiosos em pregarem peças no espectador. Os desastrosos “Ilha do Medo” e “Número 23” são apenas dois dos vários exemplos recentes. Infelizmente, o número de contadores de histórias que fazem um retrato autêntico de um esquizofrênico é muito pequeno. O americano Lodge Kerrigan arrisca-se e se sai muito bem no independente “Esquizofrenia – Entre o Real e o Imaginário” no registro que faz de seu protagonista.

Interpretado por Damian Lewis (do seriado “Homeland”), William Keane parece refazer detalhadamente o episódio numa estação rodoviária no qual sua filha desapareceu. Muito mais interessante que desvendar o que aconteceu à pequena é compreender o que se passa na cabeça de Keane, um homem visivelmente abatido, com ações contraditórias e transtornos graves de humor. Hospedando-se temporariamente em um hotel barato, Keane cria laços afetivos muito fortes ao conhecer a sua vizinha Lynn (Amy Ryan) e especialmente sua filha Kira (Abigail Breslin).

Lodge Kerrigan pôde criar ambientes quase claustrofóbicos com a forma que filma o elenco central, defendido por performances excelentes de Damian Lewis, Abigail Breslin e Amy Ryan. Foi o melhor meio encontrado para o realizador dar ênfase nas emoções tumultuadas de Keane. É um ousado estudo de personagem que definitivamente não agradará um público muito vasto, como demonstra o atraso de seis anos para a chegada de “Esquizofrenia – Entre o Real e o Imaginário” em DVD em nosso país. Por outro lado, quem se arriscar será recompensado por uma experiência válida.

Título Original: Keane
Ano de Produção: 2004
Direção: Lodge Kerrigan
Roteiro: Lodge Kerrigan
Elenco: Damian Lewis, Abigail Breslin, Amy Ryan, Liza Colón-Zayas, John Tormey, Brenda Denmark, Ed Wheeler, Christopher Evan Welch, Yvette Mercedes, Chris Bauer, Lev Gorn, Frank Wood e Tina Holmes
Cotação: 3 Stars

3 Comments

  1. Assisti a este filme quando ele ainda nem tinha esse nome nacional. “Keane” vale pela atuação do Damian Lewis, que é sensacional. E pela chance de ver Amy Ryan antes de ela estourar com “Medo da Verdade”.

    Curtir

    Responder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s