Resenha Crítica | A Pele de Vênus (2013)

A Pele de Vênus | La Vénus à la fourrureLa Vénus à la fourrure, de Roman Polanski

Em sua rica filmografia, Roman Polanski flertou ao menos em três ocasiões com o teatro. Extraordinário, “A Morte e a Donzela”, inspirado na peça de Ariel Dorfman, trouxe Sigourney Weaver, Ben Kingsley e Stuart Wilson confinados em uma casa enquanto reavalivam traumas de um passado perturbador. Há três anos, o cineasta escalou Jodie Foster, Kate Winslet, Christoph Waltz e John C. Reilly para levar aos cinemas “Deus da Carnificina“, originalmente escrito para os palcos por Yasmina Reza. Durante 80 minutos, é promovida uma lavação de roupa suja que resulta em um dos feitos menos impressionantes do cineasta. A terceira e última ocasião vem com “A Pele de Vênus”, este um Polanski em sua melhor forma.

Escrita para o teatro por David Ives, “A Pele de Vênus” encontra sua verdadeira origem em um romance escrito pelo alemão Leopold von Sacher-Masoch em 1870, “A Vênus das Peles”. Na realidade, o texto literário e o teatral fazem uma fusão na transposição para o cinema. Os discursos da obra de Sacher-Masoch ainda são fortalecidos na encenação e o roteiro de David Ives e Roman Polanski emitem através dessa apropriação uma série de discursos sarcásticos de uma magnificência jamais vista em obras prévias do franco polonês em que o gênero era a comédia. Como anuncia o prólogo de “A Pele de Vênus”, o resultado que testemunharemos será no mínimo tempestuoso.

Diretor, roteirista e protagonista da nova versão teatral do romance de Sacher-Masoch, Thomas (Mathieu Amalric) está com um deadline apertado e ainda não encontrou aquela que irá viver Wanda von Dunayev, a personagem central que transformará seu admirador em um escravo. Após um dia de testes frustrantes, Thomas está prestes a fechar o teatro que exibirá “A Vênus das Peles” quando surge Vanda (a voluptuosa Emmanuelle Seigner), uma mulher destrambelhada que diz ter perdido o horário em que faria o seu teste.

Thomas não precisa de dois segundos para chegar à conclusão de que Vanda definitivamente não será a sua Wanda, mesmo com a coincidência entre os nomes da aspirante a atriz com a personagem. Após muitas súplicas, Thomas acaba cedendo às insistências da moça, já prevendo a perda de tempo que será observá-la. Eis que uma surpresa acontece e ele vê Wanda se materializando diante de seus olhos. Estaria tudo perfeito se durante a leitura do texto Vanda não se mostrasse astuta ao ponto de contestar algumas passagens e interpretações de “A Vênus das Peles” mantidas por Thomas, que logo entra em parafuso.

A maior graça de “A Pele de Vênus” é a desmitificação de mitos com as menções às inúmeras versões de Vênus. Seja nas pinturas de Botticelli, Ticiano e Kustodiev ou nas esculturas preservadas nos museus de Louvre e Atenas, a Deusa da Beleza e do Amor sempre foi retratada em seu esplendor. Mas resistiria suas virtudes ao tempo? É um questionamento que Polanski transfere para a reversão dos papéis do Homem e da Mulher, para a compreensão da máscara que sustentamos e a verdadeira face que ela acoberta e, especialmente, para a desnudação da arte de fazer cinema.

2 Comments

    1. Kamila, “A Pele de Vênus” estava na Seleção Oficial da penúltima edição do Festival de Cannes e deu a Roman Polanski o prêmio de Melhor Diretor no último César. No entanto, descobri agora que não há uma data definida para o lançamento do filme por aqui, que deveria ter sido em julho. Enfim, é um título tão bom que figura até mesmo em um top 10 do cineasta.

      Curtir

      Responder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s