Resenha Crítica | A Qualquer Preço (2014)

I Am Here

I Am Here, de Anders Morgenthaler

A mais bela atriz do mundo a já ultrapassar a faixa dos 60 anos, a americana Kim Basinger é uma presença que equivale a 50% de sucesso ambicionado com qualquer produção que a tenha escalado como protagonista. É consenso de que sua beleza desperta o líbido de todos, mas o uso dela como ferramenta para interpretação faz de Kim Basinger uma atriz única.

Nos raros momentos de algum brilhantismo em “A Qualquer Preço”, o cineasta dinamarquês Anders Morgenthaler extrai da face de Kim Basinger a turbulência emocional de uma mulher que, mesmo após os 40 anos, não desiste de se realizar através da maternidade. É doloroso, já no início da narrativa, ver a sua mais recente tentativa de gravidez ser frustrada por mais um aborto espontâneo. Pior é a desesperança que a invade quando o seu marido, Peter (Sebastian Schipper), se recusa a dar mais uma chance para que concebam um filho, afastando-se quando Maria vem com a possibilidade de adoção.

Já em seu prólogo, “A Qualquer Preço” flerta com a fábula ao apresentar espiritualmente um filho que Maria insiste em dar à luz. A propósito, o próprio nome do casal, Maria e Peter, faz alusão a nomes essenciais na concepção e trajetória de Jesus Cristo. Há também Jordan Prentice, um ator com uma estatura incomum e, por isso mesmo, perfeito para reforçar o realismo quase fantástico pretendido.

Com uma carreira que inclui o crédito em um dos segmentos de “O ABC da Morte” (“K is for Klutz”), Anders Morgenthaler é limitado tanto como diretor quanto como roteirista de “A Qualquer Preço”. Sem valorizar a presença de Kim Basinger, Morgenthaler se mostra afeito a uma câmera na mão que a acompanha por trás, registrando as ações que a rodeiam desastrosamente. É também um narrador vacilante, mantendo em banho-maria uma jornada que só efetiva os caminhos tortos da maternidade em uma conclusão ao mesmo tempo desconcertante e comovente.

17 Comments

      1. Marco, o Russo (assim era chamado o personagem de Peter Stormare) era um cafetão. Portanto, insinua-se que ela teria sido estuprada por uma série de homens enquanto estava naquele “apagão”, sendo assim um anônimo o pai de seu filho. Mais uma analogia aos relatos bíblicos, associando a personagem de Kim Basinger à Virgem Maria.

        Curtir

      2. Obrigada pelo esclarecimento. Corri aqui assim que terminei o filme, porque não havia entendido o final. E concordo contigo, aproveitaram mal o talento dela.

        Curtir

    1. Márcia, pelo que eu entendi eles a mantiveram dopada por quatro meses enquanto vários homens abusavam dela. Então quando um acidente destruiu o lugar e os impediu de continuar drogando-a ela voltou a si e pôde procurar ajuda.

      Curtir

      Responder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s