Resenha Crítica | Aliança do Crime (2015)

Aliança do Crime (Black Mass)

Black Mass, de Scott Cooper

.:: 39ª Mostra Internacional de Cinema em São Paulo ::.

Está certo que um episódio de 2011 essencial para o histórico de James Joseph “Whitey” Bulger Jr. possa servir de justificativa, mas ainda assim impressiona que o cinema ainda não tenha criado uma ficção dedicada em narrar a vida desse irlandês que já foi um dos criminosos mais procurados pelo FBI. Pois chegou o momento e ninguém menos que Johnny Depp é escalado para incorporar essa violenta figura real.

Dado como o ator mais camaleônico em Hollywood, Johnny Depp enfadou o público justamente por essa distinção. De uma hora para a outra, o sucesso da franquia “Piratas do Caribe” acomodou o ator na opção de viver personagens carregados na caracterização e nos trejeitos, dando a sensação de que víamos o ator vivendo o mesmo papel com pequenas variações. Em “Aliança do Crime”, o mesmo processo de construção trabalha em favor de Deep, especialmente por Whitey ser, acima de tudo, uma criatura palpável.

Whitney cresceu com o também irlandês John Connolly (Joel Edgerton) nas ruas de Boston. No entanto, o destino fez com que traçassem caminhos distintos, com Whitney convertendo-se em padrinho da máfia irlandesa e John buscando uma ascensão no FBI. São sujeitos que vão se reencontrar, cada um com um interesse particular. John não é ingênuo e conhece muito bem os trabalhos escusos de Whitney e ainda assim o transforma em informante para desbancar a criminalidade da cidade. Isso só traz vantagens para Whitney, que, na surdina, faz os seus negócios de extorsão e tráfico de drogas prosperarem rapidamente.

“Aliança do Crime” é somente o terceiro longa-metragem dirigido por Scott Cooper, que possuía um currículo inexpressivo como ator antes de seu debut em “Coração Louco”. É o seu melhor filme por trás das câmeras, embora o sentimento seja de que esse americano de 45 anos ainda não chegou lá.

 A execução da violência nua e crua é um instinto que habita a natureza de Whitney, que eliminava “dedos-duros”, inimigos e devedores com uma frieza que aterroriza. Em “Aliança do Crime” essa característica é parcialmente abafada ao priorizar mais a versão de Whitney como informante do que como criminoso. Como consequência, uma teia com personagens coadjuvantes é tecida, garantindo que grandes atores se sobressaiam, como Julianne Nicholson vivendo a esposa de John Connolly e Corey Stoll como a figura ética que dará novos contornos à trama. No entanto, é incômodo ver Whitey assumindo uma função secundária de sua própria história.

One Comment

  1. Ainda não assisti a este filme, mas o que mais me chama a atenção nele é a oportunidade de ver Johnny Depp novamente em uma boa atuação, após uma série de tropeços em sua carreira. Apesar disso, acho que a atuação não será suficiente para levá-lo a uma indicação ao Oscar. No máximo, talvez, uma indicação ao Globo de Ouro.

    Curtir

    Responder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s