Resenha Crítica | O Chamado 3 (2017)

Rings, de F. Javier Gutiérrez

Há 15 anos, Gore Verbinski promoveu uma grande revolução no terror mainstream em “O Chamado”, refilmagem do japonês “Ringu – O Chamado”. De repente, várias histórias de fantasmas nipônicos começaram a invadir o ocidente, formando um público cativo inclusive para os j-horrors. Como em qualquer segmento do gênero, a glória durou por apenas alguns anos, com o gênero recebendo uma nova recauchutada com a vinda de “Jogos Mortais” e “O Albergue”, que inauguraram o torture porn, hoje também obsoleto.

Por tudo isso, o maior mistério de “O Chamado 3” acaba sendo a sua própria existência, equivocada em um cenário que já não tem mais interesse por novas maldições pregadas por Samara Morgan. Abaixo, você pode assistir ao meu comentário completo sobre a continuação, que entra em cartaz no Brasil hoje.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s