Resenha Crítica | O Grande Dia (2015)

Le grand jour, de Pascal Plisson

Produzido em 2013 e inédito no Brasil, “Sur le chemin de l’école” rendeu reconhecimento ao seu realizador Pascal Plisson, que venceu o César de Melhor Documentário em 2014. Nele, temos os registros de quatro crianças pertencentes a países distintos que se lançam a uma longa jornada para ir à escola. Agora, o cineasta tem o seu mais recente “O Grande Dia” desembarcando no país para exibir outras quatro crianças e adolescentes diante de desafios dignos da vida adulta.

O primeiro a ser apresentado à plateia é o pequeno de 11 anos Albert, que vive com a sua mãe e irmão mais novo em Cuba e treina duramente para se tornar um lutador de boxe. Com a mesma idade de Albert, Deegii pena para atingir a flexibilidade corporal exigida para conseguir passar nos testes de uma disputada escola de contorcionismo da Mongólia.

A terceira personagem real é Nidhi, que aos 16 anos estuda incessantemente para ingressar um programa para a universidade de engenharia na Índia, que disponibilizou somente 30 vagas. Por fim, vamos à Uganda para conhecer Tom, rapaz de 19 anos que participa de um processo para atuar como guarda florestal – trata-se do segmento mais esquecível e negligenciado na montagem.

Há certa valia no empenho de Plisson em alcançar um panorama de locais menos favorecidos do globo e como a realidade em cada um deles é ditada de modo diferente na busca por um futuro de sucesso em uma ocupação de grandes aspirações. Portanto, o documentário pode soar até mesmo inspirador para uma juventude na corrida por seus sonhos e o quanto é importante a persistência para realizá-los, independente da idade, das adversidades e das derrotas iniciais.

Já a audiência mais madura pode se aborrecer com algo que se pretende cativante. Incomoda um bocado a trilha sonora intrusiva de Krishna Levy (“8 Mulheres”), como se polvilhasse com açúcar o que já é bem doce. O mesmo pode ser dito sobre a fotografia de Simon Watel, embelezando em excesso o que é naturalmente rústico. Tais escolhas colaboram para “O Grande Dia” perder o seu caráter documental, principalmente por Plisson captar como uma encenação ficcional aquilo que deveria primar pela veracidade.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s