Resenha Crítica | Professor Marston e as Mulheres-Maravilhas (2017)

Professor Marston & the Wonder-Women, Angela Robinson

.:: 25º Festival Mix Brasil de Cultura da Diversidade ::.

Após inúmeras tentativas frustradas ao longo dos anos, o cinema oriundo das histórias de quadrinhos finalmente encontrou com “Mulher-Maravilha” aquele representante tão esperado de uma heroína no centro de uma aventura com toques fantásticos. A receptividade foi tão positiva que a realização de Patty Jenkins é hoje um modelo respeitoso dentro do malfadado universo da DC na tela grande, além, claro, de representar para os fãs um importante manifesto feminista.

Por tudo isso, é inacreditável que “Professor Marston e as Mulheres-Maravilhas”, aqui narrando a história real de como foi concebida a princesa Diana de Themyscira, tenha passado praticamente batido em seu lançamento comercial nos Estados Unidos e que desembarque aqui no Brasil com publicidade praticamente zero. Sem dizer que a diretora e roteirista Angela Robinson faz muito mais que “Mulher-Maravilha”, exibindo que as heroínas das fantasias devem as suas existências às mulheres do lado de cá, singulares na luta por igualdade e independência.

Muito antes de criar a personagem que rivalizaria com outros heróis dos gibis como o Capitão América, William Moulton Marston (Luke Evans, fácil no melhor papel de sua carreira) foi o criador não recompensado pela criação do detector de mentiras e psicólogo que ministrava aulas ao mesmo tempo em que caçava por voluntários para os seus experimentos. Com a sua esposa Elizabeth (Rebecca Hall), uma mulher muito à frente de seu tempo, eles abordam Olive Byrne (Bella Heathcote).

De personalidade aparentemente ingênua e frágil, Olive, de quem os Marston descobrem ser filha da ativista Ethel Byrne, logo se entrega a um jogo de emoções manipuladas que se converterá em um triângulo amoroso muito bem resolvido. Entretanto, mantido em completo sigilo e encontrando reflexo com a nossa contemporaneidade, não absolutamente afastada do conservadorismo dos anos 1940.

Responsável pelos tolos “D.E.B.S.: As Super Espiãs” e “Herbie: Meu Fusca Turbinado”, Robinson lida com descompromisso em “Professor Marston e as Mulheres-Maravilhas” de modo mais oportuno, uma vez que a leveza que insere na condução de sua narrativa naturaliza uma relação de fato bela no modo como se constrói e se efetiva. E o fato de tudo resultar na concepção de Mulher-Maravilha só vem a dignificar o que ela representa no imaginário coletivo: um símbolo de destreza e esperança.

One Comment

  1. Se não me engano, o filme é baseado no livro da Jill Lepore, uma pesquisadora de Harvard que estudou sobre a origem da Mulher-Maravilha e essa história por trás disso tudo. Lembro que passou por Toronto e foi bem elogiado. Estou muito curiosa em saber mais detalhes dessa história, que intrigante por si só.

    Curtir

    Responder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s