Resenha Crítica | Objetos Cortantes (2018)

Sharp Objects, criada por Marti Noxon e dirigida por Jean-Marc Vallée

O cineasta canadense Jean-Marc Vallée mal tinha terminado de recolher os louros de “Big Little Lies” e já era flagrado nos bastidores dirigindo Amy Adams na adaptação de “Objetos Cortantes”, também da HBO. A agenda o impossibilitou de conduzir a segunda temporada da atração com Nicole Kidman e Reese Witherspoon, mas o sacrifício foi válido.

O romance de estreia de Gillian Flynn (a mesma de “Garota Exemplar” e “Lugares Escuros”) ganha excelente tratamento aqui. O texto enxuto (250 páginas) virou uma minissérie de oito capítulos extremamente consistentes e que desenvolvem sem pressa a conturbada relação de uma família composta por três gerações de mulheres envolta a um mistério envolvendo o homicídio de duas garotas que pode ser obra de um assassino em série em formação.

O resultado é excelente e tive a honra de contar com a minha amiga Graciela Paciência para compartilhar as suas impressões sobre o livro e a sua versão para a tevê. E vale agradecer a sua cumplicidade na parceria, pois tivemos muitas dificuldades de encontrar uma “locação” para a gravação, que foi feita no Parque Trianon em uma tarde de terça-feira.

Por sinal, acompanhe a Graci nos seguintes espaços:

Cinema de Buteco
Lado M
Audiograma
• Livro “Confissões de Uma Adolescente Grávida

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s