Os 10 Melhores Filmes da 42ª Mostra Internacional de Cinema em São Paulo

Uma sucessão de eventos quase impediu que o Cine Resenhas fizesse a cobertura integral da 42ª Mostra Internacional de Cinema em São Paulo. Mesmo com a ausência nos últimos dias, nos quais só foi possível prestigiar a exibição em homenagem ao brasileiro “Central do Brasil”, foram mais de 60 filmes da programação assistidos até o fechamento desta publicação.

O ranking a seguir disponível é a celebração não somente de uma edição que já se despediu, como também uma possibilidade de concentração de todo um grupo de amigos que tornam o tradicional festival de cinema um dos mais empolgantes de se frequentar e de se promover.

Se tudo der certo, até a 43ª Mostra!

.

10º Lugar
3 Faces, de Jafar Panahi
30 pontos | 5 menções

Tem sido muito gratificante acompanhar a trajetória do cinema de Jafar Panahi, a despeito das circunstâncias que o fizeram mudar o curso do seu trabalho. A cada novo filme, o diretor, que já esteve detido na cadeia, passou por prisão domiciliar e hoje está impossibilitado de deixar o Irã, busca se reinventar, mas ainda assim consegue aludir a sua própria condição, mesmo que de modo espelhado, como tenta fazer aqui. + [Rafael CarvalhoMoviola Digital]

.

Culpa9º Lugar
Culpa, de Gustav Möller
30 pontos | 4 menções

Agora um dos mais populares da programação da 42ª edição da Mostra e em exibição no circuito americano (no Brasil, o lançamento é esperado para 20 de dezembro), “Culpa” é ainda um forte concorrente ao Oscar 2019 de Melhor Filme Estrangeiro como representante da Dinamarca. Não à toa: o exercício de imaginação que promove é ainda mais eficaz que o de “Buscando…“, somente para citar outro exemplar recente que encontra no confinamento o seu fio condutor. + [Alex Gonçalves, Cine Resenhas]

.

8º Lugar
Assunto de Família, de Hirokazu Kore-eda
30 pontos | 8 menções

O filme refuta qualquer armadilha do dramalhão familiar e, sob o olhar sempre sensível de Kore-eda para a dinâmica humana, tramita numa linha tênue entre a ternura e o sentimentalismo, sendo que este último é assumido de peitos abertos pelo roteiro a partir do terceiro ato. Mas é uma transição que funciona muito bem e, de certo modo, está em consonância com os rumos dessa gente que sempre vive não só às margens da sociedade, como também do espírito humano. + [Yuri DeliberalliDiscurso Cinematográfico]

.

7º Lugar
Guerra Fria, de Pawel Pawlikowski
34 pontos | 6 menções

Num ato final contra tudo e contra todos – Deus, o estado, as tradições – Pawlikowski acredita encontrar uma solução para a paz em Guerra Fria. Tal solução é tão trágica quanto o tempo que os personagens viveram e, talvez, o mesmo que vivemos hoje. E num cenário tão sem perspectiva, olhar do outro lado parece uma saída – o que não quer dizer que seja a única. O que acontece aqui é como um alerta, onde o diretor usa da ficção para nos fazer refletir se realmente não existe outra saída além da triste apresentada. + [Tiago Paes de Lira, Tem Um Tigre no Cinema]

.

6º Lugar
A Valsa de Waldheim, de Ruth Beckermann
35 pontos | 4 menções

Embora o formato seja convencional, o filme ganha força na montagem que compõe um panorama bastante claro. O interessante é que em meio a isso tudo, não seja apresentado o candidato concorrente. Talvez porque a documentarista esteja mais preocupada em, ao mesmo tempo descortinar o absurdo daquilo tudo, mas também deixar a narrativa aberta o suficiente para que os espectadores contemporâneos possam preenchê-la com as histórias atuais de direta conservadora que, com seus nacionalismos extremistas, novamente está em ascensão na Europa. O documentário deixa bem claro que não importam as provas: a população seguirá o discurso que lhe parecer mais conveniente. + [Isabel WittmannEstante da Sala]

.

5º Lugar
Eu Não Me Importo se Entrarmos para a História como Bárbaros, de Radu Jude
36 pontos | 5 menções

O cineasta romeno Radu Jude (de Aferim!) reflete sobre a importância de se acertar as contas com o passado, ao mesmo tempo em que questiona se este é um esforço em vão. Sua protagonista é Mariana (Ioana Iacob, em performance vigorosa), uma diretora teatral incubida de fazer um espetáculo em praça pública para relembrar a participação da Romênia na Segunda Guerra. Para isso, ela escolhe um recorte bastante específico: o massacre de cerca de 30 mil judeus na cidade de Odessa, ocorrido a mando das autoridades locais em outubro de 1941. + [Diego Olivares, Cinematecando]

.

4º Lugar
Em Chamas, de Lee Chang-dong
41 pontos | 5 menções

Há de tudo aqui – erotismo, suspense, drama, humanismo, comentário político-social – todos construídos com ritmo dramático e imagens impactantes, que ficam nos olhos muito depois que o filme acabou. Pode-se até não sentir a passagem das 2 horas e 28 minutos, tamanho é o poder de Chang-dong de colar os olhos dos espectadores na tela, suspendendo sua respiração em torno das vicissitudes de seu frágil herói, Jongsu. O final é poderoso. + [Neusa Barbosa, Cineweb]

.

A Favorita3º Lugar
A Favorita, de Yorgos Lanthimos
47 pontos | 8 menções

Para encerrar A Favorita, o diretor grego escolhe a sobreposição. Ali, de certo modo, está o que é o filme, o que é deixar algo tão tradicional na mão de alguém que narrativamente está em um outro lugar e tem outras proposições. E funciona lindamente. Segurando os arroubos criativos, nem sempre sãos, de um lado e libertando o quadradismo das histórias, principalmente as de época. + [Cecilia BarrosoCenas de Cinema]

.

2º Lugar
Infiltrado na Klan, de Spike Lee
60 pontos | 8 menções

É daí que vem então a força do desfecho do filme, cujos múltiplos finais envoltos em tantas propostas – homenagem ao gênero, triunfo do cinema e, claro, o retorno à atualidade – reiteram uma continuidade dos valores abordados e tão urgentes aos dias de hoje. “Infiltrado na Klan” é uma obra que preza acima de tudo pela reafirmação da resistência ao ódio, ao medo e à opressão dentro do momento contemporâneo em que se situa, e Lee sabe o nível de importância de sua mensagem o suficiente para martelá-la à exaustão até ser ouvido. + [Pedro StrazzaB9]

.

1º Lugar
Roma, de Alfonso Cuarón
80 pontos | 11 menções

Candidato do México para uma indicação na categoria de Melhor Filme Estrangeiro no próximo Oscar, a produção também se destaca pela arte e outros departamentos técnicos que ambientam o público, desde o afiador passando na rua e a agitação do centro da cidade ao vislumbre da TV local e cinema da época. O furor nas ruas com manifestações de estudantes e a repressão de milícias do governo não serve apenas de contexto e acaba ganhando proporções maiores no último ato do longa. No entanto, em uma história fundamentada em discutir questões de classe e raciais, é a maternidade e os laços familiares que se tornam a alma desta obra. + [Nayara ReynaudNervos]

.

Os 10 melhores filmes da 42ª Mostra Internacional de Cinema em São Paulo segundo Alex Gonçalves, editor do Cine Resenhas:

01. A Casa que Jack Construiu, de Lars von Trier
02. Infiltrado na Klan, de Spike Lee
03. Selvagem, de Camille Vidal-Naquet
04. A Guerra de Anna, de Aleksey Fedorchenko
05. Holiday, de Isabella Eklöf
06. O Mau Exemplo de Cameron Post, de Desiree Akhavan
07. CoinCoin e os Inumanos, de Bruno Dumont
08. Utøya: 22 de Julho, de Erik Poppe
09. Poderia Me Perdoar?, de Marielle Heller
10. Guerra Fria, de Pawel Pawlikowski

.

Os convidados:

Adriano Garrett | Cine Festivais

01. A Árvore dos Frutos Selvagens, de Nuri Bilge Ceylan
02. Temporada, de André Novais Oliveira
03. A Valsa de Waldheim, de Ruth Beckermann
04. 3 Faces, de Jafar Panahi
05. Amanda, de Mikhaël Hers
06. Vidas Duplas, de Olivier Assayas
07. Uma Terra Imaginada, de Yeo Siew Hua
08. Futebol Infinito, de Corneliu Porumboiu
09. Grass, de Hong Sang-soo
10. Vermelho Sol, de Benjamín Naishtat

.

Barbara Demerov | AdoroCinema

01. Roma, de Alfonso Cuarón
02. A Favorita, de Yorgos Lanthimos
03. Guerra Fria, de Pawel Pawlikowski
04. Infiltrado na Klan, de Spike Lee
05. Uma Mulher em Guerra, de Benedikt Erlingsson
06. Vidas Duplas, de Olivier Assayas
07. O Mau Exemplo de Cameron Post, de Desiree Akhavan
08. A Madeline de Madeline, de Josephine Decker
09. Cafarnaum, de Nadine Labaki
10. Assunto de Família, de Hirokazu Kore-eda

.

Cecilia Barroso | Cenas de Cinema

01. Eu Não Me Importo se Entrarmos para a História como Bárbaros, de Radu Jude
02. Assunto de Família, de Hirokazu Kore-eda
03. A Valsa de Waldheim, de Ruth Beckermann
04. Em Chamas, de Lee Chang-dong
05. Roma, de Alfonso Cuarón
06. A Favorita, de Yorgos Lanthimos
07. Guerra Fria, de Pawel Pawlikowski
08. 3 Faces, de Jafar Panahi
09. Uma Terra Imaginada, de Yeo Siew Hua
10. Vidas Duplas, de Olivier Assayas

.

Diego Olivares | Cinematecando

01. Roma, de Alfonso Cuarón
02. Em Chamas, de Lee Chang-dong
03. A Favorita, de Yorgos Lanthimos
04. Culpa, de Gustav Möller
05. Eu Não Me Importo se Entrarmos para a História como Bárbaros, de Radu Jude
06. A Casa que Jack Construiu, de Lars von Trier
07. A Madeline de Madeline, de Josephine Decker
08. Infiltrado na Klan, de Spike Lee
09. Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes
10. Uma Mulher em Guerra, de Benedikt Erlingsson

.

Hélio Flores | Mostreiro

01. Eu Não Me Importo se Entrarmos para a História como Bárbaros, de Radu Jude
02. Roma, de Alfonso Cuarón
03. John McEnroe: No Império Na Perfeição, de Julien Faraut
04. Uma Mulher em Guerra, de Benedikt Erlingsson
05. Ilha, de Ary Rosa e Glenda Nicácio
06. Selvagem, de Camille Vidal-Naquet
07. Trem das Vidas ou A Viagem de Angélique, de Paul Vecchiali
08. Assunto de Família, de Hirokazu Kore-eda
09. O Hotel às Margens do Rio, de Hong Sang-soo
10. Amanda, de Mikhaël Hers

.

Isabel Wittmann | Estante da Sala

01. A Valsa de Waldheim, de Ruth Beckermann
02. Infiltrado na Klan, de Spike Lee
03. O Mau Exemplo de Cameron Post, de Desiree Akhavan
04. A Casa que Jack Construiu, de Lars von Trier
05. Almofada de Alfinetes, de Deborah Haywood
06. Poderia Me Perdoar?, de Marielle Heller
07. Eu Não Me Importo se Entrarmos para a História como Bárbaros, de Radu Jude
08. Meio Irmão, de Elaine Coster
09. Chuva é Cantoria na Aldeia dos Mortos, de João Salaviza e Renée Nader Messora
10. Rosas Selvagens, de Anna Jadowska

.

Marcelo Ferreira | CINESe7e

01. Piedade, de Babis Makridis
02. Infiltrado na Klan, de Spike Lee
03. A Árvore dos Frutos Selvagens, de Nuri Bilge Ceylan
04. Ága, de Milko Lazarov
05. Roma, de Alfonso Cuarón
06. O Anjo, de Luis Ortega
07. Limonada, de Ioana Uricaru
08. Selvagem, de Camille Vidal-Naquet
09. Cafarnaum, de Nadine Labaki
10. A Favorita, de Yorgos Lanthimos

.

Nayara Reynaud | Nervos

01. Culpa, de Gustav Möller
02. A Terceira Esposa, de Ash Mayfair
03. A Favorita, de Yorgos Lanthimos
04. Guerra Fria, de Pawel Pawlikowski
05. Roma, de Alfonso Cuarón
06. Fuga, de Agnieszka Smoczynska
07. Temporada, de André Novais Oliveira
08. Vida Selvagem, de Paul Dano
09. Sofia, de Meryem Benm’Barek-Aloïsi
10. O Mau Exemplo de Cameron Post, de Desiree Akhavan

.

Neusa Barbosa | Cineweb

01. Em Chamas, de Lee Chang-dong
02. Roma, de Alfonso Cuarón
03. A Árvore dos Frutos Selvagens, de Nuri Bilge Ceylan
04. 3 Faces, de Jafar Panahi
05. Vermelho Sol, de Benjamín Naishtat
06. A Favorita, de Yorgos Lanthimos
07. Verão, de Kirill Serebrennikov
08. Culpa, de Gustav Möller
09. Deslembro, de Flávia Castro
10. A Quietude, de Pablo Trapero

Pedro Strazza | B9

01. Amor Até as Cinzas, de Jia Zhang-ke
02. A Valsa de Waldheim, de Ruth Beckermann
03. Infiltrado na Klan, de Spike Lee
04. Trem das Vidas ou A Viagem de Angélique, de Paul Vecchiali
05. Eu Não Me Importo se Entrarmos para a História como Bárbaros, de Radu Jude
06. Roma, de Alfonso Cuarón
07. John McEnroe: No Império Na Perfeição, de Julien Faraut
08. 3 Faces, de Jafar Panahi
09. Assunto de Família, de Hirokazu Kore-eda
10. O Hotel às Margens do Rio, de Hong Sang-soo

.

Rafael Carvalho | Moviola Digital

01. Em Chamas, de Lee Chang-dong
02. 3 Faces, de Jafar Panahi
03. O Hotel às Margens do Rio, de Hong Sang-soo
04. Como Fernando Pessoa Salvou Portugal, de Eugène Green
05. Roma, de Alfonso Cuarón
06. Assunto de Família, de Hirokazu Kore-eda
07. Trem das Vidas ou A Viagem de Angélique, de Paul Vecchiali
08. Amanda, de Mikhaël Hers
09. A Árvore dos Frutos Selvagens, de Nuri Bilge Ceylan
10. A Madeline de Madeline, de Josephine Decker

.

Tiago Paes de Lira | Tem Um Tigre no Cinema

01. Roma, de Alfonso Cuarón
02. Infiltrado na Klan, de Spike Lee
03. A Favorita, de Yorgos Lanthimos
04. Guerra Fria, de Pawel Pawlikowski
05. Assunto de Família, de Hirokazu Kore-eda
06. Garotas em Fuga, de Virginie Gourmel
07. A Casa que Jack Construiu, de Lars von Trier
08. Verão, de Kirill Serebrennikov
09. The Man Who Killed Don Quixote, de Terry Gilliam
10. Sofia, de Meryem Benm’Barek-Aloïsi

.

Vitor Búrigo | CINEVITOR

01. Culpa, de Gustav Möller
02. Vida Selvagem, de Paul Dano
03. Roma, de Alfonso Cuarón
04. Guerra Fria, de Pawel Pawlikowski
05. Infiltrado na Klan, de Spike Lee
06. Em Chamas, de Lee Chang-dong
07. O Mau Exemplo de Cameron Post, de Desiree Akhavan
08. A Favorita, de Yorgos Lanthimos
09. Assunto de Família, de Hirokazu Kore-eda
10. Vidas Duplas, de Olivier Assayas

.

Yuri Deliberalli | Discurso Cinematográfico

01. Amanda, de Mikhaël Hers
02. Extinção, de Salomé Lamas
03. Como Fernando Pessoa Salvou Portugal, de Eugène Green
04. Trem das Vidas ou A Viagem de Angélique, de Paul Vecchiali
05. Imagem e Palavra, de Jean-Luc Godard
06. O Hotel às Margens do Rio, de Hong Sang-soo
07. A Imagem que Você Perdeu, de Donal Foreman
08. Belmonte, de Federico Veiroj
09. Assunto de Família, de Hirokazu Kore-eda
10. Temporada, de André Novais Oliveira

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s